Todos os Eventos

Abr 29 Sáb
Dia Mundial da Dança
Dia Mundial da Dança @ Sala Principal

Espetáculo comemorativo do Dia Mundial da Dança pela Pequena Companhia/ Little Company da Academia de Dança Contemporânea de Setúbal (ADCS), através do programa “Jovens Coreógrafos”.

A coreografias a apresentar são da autoria de Catarina Correia, Filipa Peraltinha, Inês Pedruco e Letícia Marques.

O ensino na Academia de Dança Contemporânea de Setúbal tem como principais objectivos a educação pelo movimento, que se desenvolve nas Classes de Iniciação, e a formação de bailarinos nos Cursos Básico e Secundário de Dança, promovendo nos alunos uma intensa ligação à atividade cénica através de apresentações públicas da Escola e da Pequena Companhia/ Little Company.

A Pequena Companhia é uma estrutura similar a uma companhia de dança profissional e é constituída por alunos selecionados do curso de formação de bailarinos da Academia de Dança Contemporânea de Setúbal, constituindo-se como iniciação à atividade futura destes jovens.

 

Mai 5 Sex
O Pássaro de Fogo Re-Imaginado
O Pássaro de Fogo Re-Imaginado @ Sala Principal

Produção da Companhia de Dança Marina Popova que entra no mundo imaginário dos contos tradicionais da Rússia, remisturando-os num libreto onde se cruzam Príncipe Ivan Tsarevich, Köstchei, o Imortal, os seus súbditos, a Princesa Vassilisa Tsareevna e Zhar-Ptitsa (o Pássaro de Fogo).

O andamento da peça é caracterizado pelo recurso a múltiplos géneros de dança e, tal como acontecera há mais de um século com “L’Oseau de Feu”, dos Ballet Russes, “O Pássaro de Fogo Re-Imaginado” rompe com o que hoje seria considerado tradicional, ilustrando este mundo de fantasia não com a composição original de Stravinsky, mas com uma seleção musical que marcou a sonoridade pop/rock das últimas décadas.

Melodias dos Led Zeppelin, Massive Attack, Smashing Pumpkins, Eurythmics, ou até mesmo de Jimi Hendrix, marcam o ritmo.

Fiel aos contos tradicionais da cultura russa, a Companhia de Dança Marina Popova mantém o caráter disruptivo da peça original e re-imagina esta história com um sabor artístico presente.

Espetáculo integrado no programa municipal Semana da Dança, que assinala em Setúbal o Dia Mundial da Dança.

Mai 6 Sáb
Cuca Roseta
Cuca Roseta @ Sala Principal

Cuca Roseta visita Setúbal para uma noite íntima com o público do Fórum Municipal Luísa Todi.

A cantora portuguesa dá continuidade ao V Ciclo Concertos Íntimos, que teve início com Rita Guerra, em março.

Para este espetáculo, Cuca Roseta traz “Riu”, o último álbum de originais, produzido pela mão de Nelson Motta, produtor brasileiro que impulsionou carreiras como a de Maria Bethânia, Marisa Monte, Elis Regina e Ed Motta.

Em “Riu”, Cuca Roseta canta temas originais de Djavan, Ivan Lins, Jorge Drexler, Jorge Palma, Sara Tavares, Pedro Jóia e Mário Pacheco, chegando a cruzar a escrita com grandes compositores em muitos dos temas deste projeto.

Concertos Íntimos

Segundo espetáculo do V Ciclo Concertos Íntimos, que teve início com Rita Guerra durante o mês de março.

Para o terceiro quadrimestre de 2017 o V Ciclo Concertos Íntimos reserva um convidado surpresa.

Com a apresentação dos bilhetes dos espetáculos de Rita Guerra e de Cuca Roseta é atribuído um desconto de 10 por cento na aquisição do ingresso do terceiro Concerto Íntimo.

Mai 8 Seg
A Festa
A Festa @ Sala Principal

Um ator indiano desastrado arruína o dispendioso cenário de uma longa-metragem momentos antes de se dar início à filmagem de uma enorme explosão.

O desastre é tal que o realizador dá ordens para que o desajeitado ator seja despedido, só que um erro de secretaria coloca-o numa prestigiante lista de convidados para uma faustosa festa de Hollywood.

Uma vez lá, rapidamente um rol de peripécias vão acompanhar o ator trapalhão.

“Grandes Cómicos, Grandes Comédias” dá o mote à atual masterclass que o cineasta e crítico cinematográfico Lauro António traz ao Fórum Municipal Luísa Todi.

Mais de meia centena de obras estão em destaque ao longo do programa dinamizado durante o ano. Este é o quarto ciclo que Lauro António apresenta em Setúbal, depois de séries dedicadas aos clássicos americanos e italianos e, mais recentemente, às mais sensuais atrizes da história do cinema.

O conhecido crítico marca presença a cada sessão para apresentar ao público as obras em projeção.

Mai 12 Sex
Lully, Rebel, Rameau

Ao soarem os primeiros acordes de “Les Éléments” instala-se o caos. Tem assim início esta obra que Jean-Féry Rebel compôs em 1737, então já com a respeitável idade de 71 anos.

É também oportunidade para nos familiarizarmos um pouco mais com o estilo musical barroco francês.

Para esse efeito, o maestro e cravista Marcos Magalhães, profundo conhecedor desta prática, junta-se aos músicos da Orquestra Metropolitana de Lisboa para apresentar um concerto que reúne outros dois nomes grandes da música francesa, Jean-Baptiste Lully e Jean-Philippe Rameau.

Marcos Magalhães

Mai 13 Sáb
O Cravo Espanhol

“Assim, com o tempo, conseguimos fundir o que de vagas recordações trouxemos da infância com o belo-da-idade-adulta saído do génio criador dos seus autores, que para o caso d’O Cravo Espanhol foram: algumas figuras dos saltimbancos do Picasso do período rosa; a Paulette Goddard, a do vestido-trapo, quando esta personificava o fruto-juventude colhido por Chaplin; a Anna Magnani de alguns filmes neo-realistas italianos do após-guerra; o clima patético dos vagabundos-com-um-sonho-dentro d’A Estrada, de Fellini, e todo o sortilégio que, felizmente, ainda surpreendemos para nosso regalo nas feiras, romarias, exibições de fantoches, nos dias de Circo, nos pantomineiros-vendedores-da-banha-da-cobra (que arte e que poder de comunicação têm alguns destes tipos!); tudo isto, dizíamos nós, o passado e o presente muito bem digeridos no almofariz-da-vida, creio ter sido a teia-mestra da nossa farsa-trágica. Farsa-trágica, um conflito de amor e frustração baseado nas cegadas carnavalescas dos anos vinte. História dialogada numa linguagem directa e rude, sem papas na língua, como acontecia nos espetáculos de rua desses tempos.”

É desta forma que o autor Romeu Correia descreve resumidamente a sua obra “O Cravo Espanhol”.

O Escriturário, símbolo dos improvisadores que logo perdem a autoria para o anonimato, é o impregnador das antigas cegadas no clima das cenas. Miguel o toureiro frustrado, procura realizar-se lidando toiros de pano com pernas de homem, no Carnaval. A filha bonita faz de “cavaleiro” e o filho rebelde de “bandarilheiro”. Dois cavalheiros atraídos na ocasião colaboram, vestidos de “boi” para esta “casa da brincadeira”.

As memórias de infância de poetas, compositores de improviso, cantadores de fado e toda uma fauna artística eminentemente popular despertaram a necessidade de, já nos anos setenta, voltar a um conceito esquecido de uma criação-desabafo de dores e alegrias com as raízes mergulhadas no cerne da alma do Povo.

A ânsia de comunicar é de tal forma imperativa que nem o desconhecimento da escrita serviu de obstáculo a uma criação artística, que teve mais tarde uma correspondente identificação no plano estético, quer nas artes plásticas quer na cinematografia.

Romeu Correia oferece-nos, com O Cravo Espanhol, uma hora e meia de boa disposição à boa maneira de Fellini ou Scola.

O Teatro da Terra inicia com Romeu Correia um ciclo de espetáculos baseados na investigação do movimento neorrealista português, a “batalha pelo conteúdo” precursora de muitos dos agora considerados mestres do cinema, das artes plásticas ou do teatro.

 

O Cravo Espanhol - galeria 1 Cravo Espanhol - galeria2 Cravo Espanhol - galeria 3

Mai 15 Seg
Zaca Zaca
Zaca Zaca @ Sala Principal

O Teatro Puzzle, do Clube Animação Jovem da APPACDM, apresenta uma encenação a partir do conto de António Torrado.

“Zaca Zaca” é uma história para crianças e jovens sobre um orangotango que passa a ser visto por um rei e sua corte como um ser que fala a língua dos homens.

Espetáculo integrado nas comemorações do Dia Internacional da Família.

Um Espada para Hollywood
Um Espada para Hollywood @ Sala Principal

Um homem ganha um carro de luxo com uma rifa e decide atravessar os Estados Unidos para conhecer a atriz Anita Ekberg.

Conhece então um vigarista que se propõe a ajudá-lo, mas com a verdadeira intenção de lhe roubar o automóvel e lucrar com ele.

“Um Espada para Hollywood” é o último filme da famosa parceria do humor entre Jerry Lewis e Dean Martin, comediantes que estariam tão zangados na altura da rodagem que só falavam um com o outro unicamente quando o argumento a isso os obrigava.

“Grandes Cómicos, Grandes Comédias” dá o mote à atual masterclass que o cineasta e crítico cinematográfico Lauro António traz ao Fórum Municipal Luísa Todi.

Mais de meia centena de obras estão em destaque ao longo do programa dinamizado durante o ano. Este é o quarto ciclo que Lauro António apresenta em Setúbal, depois de séries dedicadas aos clássicos americanos e italianos e, mais recentemente, às mais sensuais atrizes da história do cinema.

O conhecido crítico marca presença a cada sessão para apresentar ao público as obras em projeção.

Mai 20 Sáb
Quinta Sinfonia de Schubert

A Quinta Sinfonia será a mais “delicada” de todas as sinfonias de Schubert.

Data de 1816 e combina admiravelmente a jovialidade de um músico com dezanove anos de idade e a precoce maturidade artística de um dos maiores compositores de sempre.

Em Schubert há uma melancolia que atravessa discretamente cada melodia, cada cadência, como se ficasse sempre algo por dizer. Esta foi uma característica que o acompanhou ao longo da restante metade da sua vida, e que transparece em toda a música que compôs.

Neste programa junta-se-lhe uma obra que terá como solista Pedro Silvestre, vencedor da 6.ª edição do Prémio Fundação INATEL, concurso que distingue anualmente um aluno da Academia Nacional Superior de Orquestra.

Pedro Viana Silvestre (galeria)

Mai 22 Seg
Jerry 8 3/4
Jerry 8 3/4 @ Sala Principal

Produtores do mundo do espetáculo de Hollywood são forçados a encontrar um substituto de última hora para um comediante famoso que morreu subitamente.

A solução de recurso cai num humilde e anónimo empregado de hotel, que acaba por ser lançado no mundo do estrelato de um momento para o outro.

O problema é que o empregado não tem jeito nenhum para o novo trabalho e só consegue piorar à medida que se aproxima a grande estreia do programa televisivo para o qual foi contratado.

“Grandes Cómicos, Grandes Comédias” dá o mote à atual masterclass que o cineasta e crítico cinematográfico Lauro António traz ao Fórum Municipal Luísa Todi.

Mais de meia centena de obras estão em destaque ao longo do programa dinamizado durante o ano. Este é o quarto ciclo que Lauro António apresenta em Setúbal, depois de séries dedicadas aos clássicos americanos e italianos e, mais recentemente, às mais sensuais atrizes da história do cinema.

O conhecido crítico marca presença a cada sessão para apresentar ao público as obras em projeção.