Mensagem

Joao_Pereira_Bastos_420px

Mensagem do Diretor

(Programação do primeiro quadrimestre de 2017)

Sinais inequívocos de maturidade musical 

As sondagens multidisciplinares efetuadas junto de pessoas de gostos muito diversificados são sempre tarefas difíceis. O resultado obtido sofre muitas vezes de grave distorção, provocada pelo binómio de universos alvo dos que respondem aos inquéritos e o número elevado de abstencionistas. Tal como nos media, uma coisa é uma sondagem efetuada junto de um nicho de mercado específico (exemplo: rádio clássica), outra é a auscultação de uma programação generalista (Antena 1). O caso do Fórum, como se compreende facilmente, situa-se neste último universo. Ultrapassados os quatro anos de direção desta casa de cultura e de diversão, habituei-me a dialogar com muitas pessoas que não conhecia de lado nenhum. Seja anotando as suas expetativas, seja numa ótica de reação ao que vamos preparando com caráter eminentemente cultural. Retenho de forma muito especial o primeiro encontro com um grupo de mais de dez jovens que consultavam, ávidos, junto de uma montra do Fórum, as ofertas que por nada deste mundo queriam perder na I Temporada Sinfónica de Setúbal. Entre muitos contactos efetuados, retenho, decorrida mais de metade da IV Temporada, o que uma espetadora inesperadamente referiu. Depois de afastamento prolongado por motivos de saúde constatou um simples, facto aparentemente sem importância, no dia do concerto da Orquestra Sinfónica Portuguesa de 19 de novembro. E disse apenas: - o público de Setúbal hoje é já um público melómano; deixou de bater palmas entre andamentos. O que parece de pouca importância, identifica uma maturidade de fruição que se assinala e que permite avançar para múltiplos desafios cada vez mais ambiciosos. Há três anos, programar a audição integral das sinfonias de Beethoven em quatro dias consecutivos era algo de impensável. Assistiram aos quatro concertos nada mais nada menos do que 1649 espetadores, sempre em número crescente desde o primeiro concerto a 15 de setembro, até ao último, de lotação esgotada. Num domingo de verão, à tarde, onde a praia muitas vezes toma a primazia das opções de fruição dos tempos livres. Sobretudo, tendo ao virar da esquina as paradisíacas praias do Sado! Efetivamente, ressalta em cada audição um sinal inequívoco de maturidade musical de assinalar, bem como a constatação do cada vez maior número de espetadores que escolhe o Luísa Todi para vivenciar mais um concerto de música clássica.

Sob este prisma, destaque-se neste primeiro quadrimestre o atelier de ópera da Metropolitana, com a produção de La Clemenza di Tito, a última ópera de Mozart, estreada no ano da sua morte apenas com 35 anos (1791). Como sempre, a direção musical é de Pedro Amaral e a encenação de Jorge Vaz de Carvalho.
Outro grande destaque recai sobre o concerto da Académica Metropolitana a acompanhar pela primeira vez em Setúbal um dos maiores concertistas da história da música em Portugal – Artur Pizarro, que no mesmo programa interpreta não um, mas dois concertos para piano e orquestra (Poulenc e Honegger), sob direção de Jean-Marc Burfin. Pascal Verrot, outro grande maestro francês, dirige a mesma orquestra ainda nos primeiros meses de 2017. A Banda Sinfónica da PSP marca mais uma vez presença entre nós para um concerto de celebração do aniversário da sua criação.

O quadrimestre apresenta três produções teatrais, duas de A Comuna (encenação de João Mota) e uma nova produção de O Bando (encenação de João Brites), com texto, respetivamente, de Mia Couto e José Eduardo Agualusa (O Terrorista Elegante) e de António Tabbuchi (Das Nuvens), pela companhia sediada em Palmela. A segunda produção de A Comuna será uma homenagem a João Villaret, da autoria de Carlos Paulo, no dia mundial da poesia. O chamado teatro ligeiro também marca presença com uma peça da autoria de Fernando GomesDo Céu Caiu um Anjinho. Duas sessões, uma na tarde de domingo, para possibilitar a deslocação ao Luísa dos que não gostam de sair à noite.

A V edição dos Concerto Íntimos conta com a presença de Rita Guerra no concerto de celebração dos seus 30 anos de carreira e de Cuca Roseta, já no segundo quadrimestre. Como sempre, guarde os bilhetes dos dois primeiros espetáculos para um desconto de 10 por cento para o terceiro concerto no último quadrimestre deste ano, que se anunciará no mês de maio. Se alguém tardava em se estrear no renovado Luísa Todi, esse alguém era Aurea, que escolheu passar entre nós o Dia dos Namorados. Completa-se a galeria de convidados especiais com Carlos Mendes e a sua Festa da Vida, Viviane, que chamou para junto de si o Coral Infantil de Setúbal e, finalmente, Hands on Approach. Completam a programação dois concerto do Coral Infantil de Setúbal, um deles com a apresentação de uma ópera infantil – Um Sonho Mágico. Uma nova série de Lauro António, dedicada a Grande Cómicos, Grandes Comédias, a reposição de O Quebra-Nozes, pelo GATEM, os espetáculos da Academia de Danças Contemporânea de Setúbal, a União das Tribos, com convidados a anunciar, e uma evocação de Paco de Lucía, por ocasião do terceiro aniversário da sua morte, num espetáculo raro entre nós - Flamenco Passion!

 

João Pereira Bastos
Diretor