23 Fevereiro a 24 Fevereiro 21:30
Um D. João Português

Onde: Sala Principal

Custo: 10 € Dois dias | 7 € Um dia

Título: "Um D. João Português"
Sinopse: Versão da famosa história do conquistador Don Juan, pela visão do encenador Luis Miguel Cintra
Dramaturgia e encenação: Luis Miguel Cintra
Direção de produção: Levi Martins
Interpretação: André Reis, Bernardo Souto, Dinis Gomes, Diogo Dória, Duarte Guimarães, Guilherme Gomes, Joana Manaças, João Jacinto, João Reixa, Leonardo Garibaldi, Levi Martins, Luís Lima Barreto, Luis Miguel Cintra, Maria Mascarenhas, Nídia Roque, Rita Durão, Sílvio Vieira e Sofia Marques
Assistência de produção e encenação: Maria Mascarenhas
Luz e som: Rui Seabra
Ilustração: André Reis
Coprodução: Companhia Mascarenhas-Martins, Teatro Viriato e Centro Cultural Vila Flor
Apoios: República Portuguesa – Cultura / DGArtes, Fundação GDA, Câmara Municipal de Montijo, Câmara Municipal de Setúbal, Junta de Freguesia da União das Freguesias de Montijo e Afonsoeiro, Universidade de Lisboa, Teatro Nacional de S. Carlos, APSS – Porto de Setúbal, Funerária Parreira, Gigantones e Companhia
Agenda: Em fevereiro. Dia 23, apresentação da Parte I. Dia 24, apresentação da Parte II. Com início sempre às 21h30
Bilhetes: 10 € Passe para os dois dias | 7 € Bilhete para um dia
Outras informações: M/12 Anos. Cada espetáculo tem a duração aproximada de 2h30

Molière não foi o único autor a dedicar-se à figura de D. João. Ao longo dos séculos, o libertino inspirou obras de Tirso de Molina, Lord Byron e, talvez a mais famosa de todas, a ópera Don Giovanni, de Mozart.

Luis Miguel Cintra parte de uma tradução de cordel portuguesa do séc. XVIII, anónima e em que o nome do dramaturgo francês é omisso, e evoca um conjunto de referências culturais e artísticas de vários tempos para construir um espetáculo em que D. João é, mais do que europeu, verdadeiramente português.

Construído ao longo de 2017 em quatro cidades, Montijo, Setúbal, Viseu e Guimarães, o espetáculo acompanha o percurso em fuga de D. João e do seu fiel criado Esganarelo, como se de um road movie se tratasse.

A vida vai-se revelando no contacto de ambos com as mais diversas realidades, da mais densa reflexão filosófica à entrega aos prazeres mais simples. Constante, porém, é a busca pela total liberdade por parte do protagonista, que tenta escapar a tudo aquilo que possa impedi-lo de viver como bem lhe apetece.

Existe, ainda assim, um único limite que talvez não lhe seja possível transpor: a morte.

Sobre Luis Miguel Cintra

Curso de Românicas. Ator e encenador desde 1969, quando começou no Grupo de Teatro da Faculdade de Letras. Curso de Teatro em Inglaterra. Fundador e diretor do Teatro da Cornucópia desde 1973 e durante 43 anos. Ator de teatro e cinema, encenador de teatro e ópera, Comendador, Prémio Pessoa.